Adagro alerta criadores de animais sobre o botulismo em Petrolina, PE

Publicado por
11 fevereiro 2017 21h50

Criadores devem manter o rebanho vacinado.
Casos já foram registrados em cidades do Sertão de Pernambuco.

Do G1 Petrolina

Para prevenir a doença, o rebanho deve ser
vacinado (Foto: Reprodução/TV Asa Branca)

A suspeita de uma infecção por botulismo em animais em cidades do Sertão de Pernambuco, levou a Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária (Adagro) de Petrolina, a reforçar com os criadores da região sobre a importância da vacinação do rebanho. Até o momento mortes provocadas pela doença já foram identificadas em São bento do Una e outros casos estão sendo investigados em Ibirajuba, no Agreste.

De acordo com o coordenador da unidade veterinária da Adagro em Petrolina, Geraldo Miranda, o trabalho principal deve ser realizado na prevenção. “É uma doença provocada por uma bactéria que fica no intestino dos animas e ela produz a toxina botulínica. Como é de conhecimento, o tratamento é praticamente inexistente e por isso é necessário trabalhar com a prevenção, formada por um conjunto de medidas”, explica.

Segundo o coordenador, a principal forma de prevenir é com a imunização do rebanho. “Nas casas de venda de produtos veterinários, é possível encontrar a vacina. Não é obrigatório registrar na Adagro que o rebanho foi vacinado, mas é importante que a gente tenha conhecimento desses casos de vacinação. É uma forma de saber onde está havendo o controle, porque pode ser que esteja ocorrendo casos e a gente precisa fazer uma investigação melhor”, disse Geraldo.

A Adagro ainda reforça que a forma de alimentação dos animais também pode ajudar a evitar a doença. “Normalmente o solo brasileiro é deficiente em fósforo, os produtores não realizam uma mineralização do seu rebanho e eles procuram em cadáveres de animais mortos na pastagem, a fonte desse fósforo. É ai onde ocorre a intoxicação alimentar. Então, a mineralização é uma das medidas e os animais mortos na pastagem devem ser queimados e enterrados”, ressalta o coordenador veterinário.

 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta