Corpo de Dona Marisa Letícia é velado no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Publicado por
4 fevereiro 2017 13h26

Dilma e a ex-ministra Eleonora com Lula no velório (Foto: reprodução)

Dilma e ministros dos governos petistas foram ao velório. Público forma longa fila para de despedir de ex-primeira-dama.

Do G1 São Paulo

Começou por volta das 9h30 deste sábado (4) o velório do corpo da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo.

O auditório do sindicato do ABC, palco de assembleias e discursos emblemáticos, foi aberto ao público às 10h30 depois de uma hora fechado só para a família de Dona Marisa.

A foto de Lula e Marisa estampada na parede principal foi tirada em Istambul, em2009, e é a mesma usada pelo Instituto Lula nas redes sociais. Foi no Sindicato dos Metalúrgicos que o casal se conheceu, em 1973. Na época, os dois eram viúvos. Sete meses depois, Lula e Marisa se casaram.

O caixāo com o corpo de Dona Marisa Leticia foi coberto com as bandeiras do Brasil e do PT. O ex-presidente Lula e os filhos do casal recebem os cumprimentos de amigos e políticos, entre eles, a ex-presidente Dilma Rousseff, o presidente do PT, Rui Falcão, o vereador Eduardo Suplicy, o deputado Waldir Maranhão, Jair Meneguelli, ex-presidente da CUT, Vicentinho, deputado federal Gilberto Carvalho, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro, Renato Janine Ribeiro, o ex-ministro da Educação, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando HaddadEleonora Menicucci, ex-ministra da Secretaria de Política para Mulheres, entre outros. Dilma e Eleonora Menicucci chegaram juntas ao velório por volta das 11h30.

O público que veio prestar homenagem à ex-primeira dama passa em fila por um corredor. Por volta das 11h30, a fila para entrar no sindicaro dobrava o quarteirão.

“Acho importante estar aqui para marcar espaço. Não só pra prestar solidariedade, porque a gente sabe o quanto ela foi importante para o Lula, mas pra mostrar que ainda estamos aqui vivos”, disse a aposentada Célia Regina Mendes da Silva.

A também aposentada Maira Olivia de Castro Matiero, de 75 anos, mora em São Bernardo do Campo e veio se despedir da vizinha Marisa. ” Eu sempre fui vizinha deles, quatro quarteirões da minha casa. A gente via a Dona Marisa, mas nunca conversava. Ela foi uma batalhadora e uma dona de casa excelente.”

Dona Zeinha Feitosa, amiga de Marisa Letícia (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Dona Zelinha Feitosa trabalha no sindicato dos metalúrgicos do ABC há 42 anos. Começou como funcionária da limpeza e hoje trabalha na lanchonete que funciona dentro do sindicato. Ela lembra que, embora muito reservada, Marisa Leticia ” tinha o dom de reunir as mulheres do sindicato, no começo do partido. ” Na prateleira da lanchonete expõe a foto com Marisa Leticia. A lembrança já estava ali e vai continuar. ” Da primeira-dama todo mundo queria ser amiga, eu era amiga da Marisa”, diz Zelinha Feitosa.

O velório deve ocorrer até as 15h. Depois, haverá uma cerimônia de cremação reservada à família no cemitério. O Instituto Lula informou que não será divulgado dados sobre a doação de órgãos de dona Marisa.

Velório de Dona Marisa ocorre na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é visto chegando ao Velório de sua esposa, Marisa Letícia da Silva, realizado no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, berço do Partido dos Trabalhadores, no ABC Paulista, na manhã deste sábado (4). (Foto: Tiago Queiroz / Estadão)

O corpo deixou o hospital Sírio-Libanês, onde ela estava internada desde o dia 24 de janeiro, por volta das 7h30 e chegou ao sindicato às 9h. O ex-presidente Lula chegou ao local 20 minutos antes do corpo.

Segundo Suplicy, Marisa estava sempre junto de Lula. “Algumas vezes que jantei no Alvorada ela estava sempre amável nos recebendo. Então, eu venho aqui mais uma vez dar meu abraço a Lula e a todos os companheiros recordando os momentos significativos na vida do Brasil”, disse.

“Fiquei bastante impactado com a visita do Temer, FHC, José Sarney, José Serra e Henrique Meirelles e que o Lula teve a oportunidade de dizer a eles que, por mais que tenhamos opiniões diferentes sobre o que está se passando no Brasil, quero agradecer a todos e me coloco à disposição para dialogar com vocês”, afirmou Suplicy. Ele afirmou que Lula disse da disposição dele para conversar com Temer, mesmo que “todos soubessem que ele queria que quem tivesse ali era outra pessoa”.

José Leoncio Sobrinho veio de Garanhuns, cidade natal do ex-presidente (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

Algumas homenagens vem de longe. José Leôncio Sobrinho Veio de Garanhuns, cidade natal do ex- presidente, só para prestar homenagem à família de Lula: ” dona Marisa veio lá de trás, jovenzinha, com o Lula. Fez essa trajetória todinha com esse companheiro guerreiro e forte. Então, a gente não pode esquecer um momento como esse. Garanhuns não é tão distante que a gente não possa estar aqui”, disse ele, que é diretor do Sindicato de Alimentos e Bebidas de Garanhuns e região.

Ele aproveitou para registrar a solidariedade em um painel de tecido montado para mensagens.

Dona Marisa foi internada no dia 24 de janeiro no Hospital Sírio-Libanês, no Centro de São Paulo, depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral hemorrágico provocado pelo rompimento de um aneurisma. O óbito foi constatado às 18h57 de sexta-feira (3), segundo boletim médico. Lula e sua família autorizaram a doação dos órgãos.

Carro da funerária com o corpo chega ao ABC (Foto: Fernanda Cesaroni/G1)

O protocolo oficial para constatar a morte cerebral, os médicos submeteram dona Marisa a dois testes: o primeiro ocorreu às 12h05 e o segundo, às 18h05 de sexta. O protocolo determina que o último exame seja conduzido por outro médico para comprovar a perda definitiva e irreversível das funções cerebrais. De seus 66 anos de vida, Maria Letícia passou 42 ao lado de Lula

Nas redes sociais, Lula lembrou com carinho da esposa. “A ex-primeira-dama costurou a primeira bandeira do PT, começou a trabalhar aos 9 anos e organizou resistência das mulheres durante as grandes greves do ABC.”

Ao saber da morte de dona Marisa, o presidente Michel Temer decretou luto de três dias no país.

Na quinta, um boletim médico divulgado pelo hospital informou que um doppler transcraniano identificou a ausência de fluxo cerebral. Em seguida, Lula publicou em seu pefil no Facebook uma mensagem agradecendo o carinho e informando que a família autorizava a doação de órgãos.

“A família Lula da Silva agradece todas as manifestações de carinho e solidariedade recebidas nesses últimos 10 dias pela recuperação da ex-primeira-dama Dona Marisa Letícia Lula da Silva. A família autorizou os procedimentos preparativos para a doação dos órgãos”, diz o post. Depois, a página do Facebook do ex-presidente atualizou a foto de perfil e colocou uma imagem do casal sorrindo.

Quando foi internada, dona Marisa passou por um procedimento de emergência, que durou cerca de duas horas, para conter a hemorragia no cérebro. Os médicos fizeram uma arteriografia cerebral para localizar a lesão e depois introduziram um cateter até a região afetada para estancar o sangramento.

Presidente Michel Temer e Lula (Foto: Beto Barata / Presidência da República)

Visitas

Depois da divulgação do boletim médico de quinta-feira, amigos e políticos foram ao Sírio-Libanês prestar solidariedade à família de Lula.

A ex-presidente Dilma Rousseff visitou Lula no hospital onde Marisa Letícia está internada (Foto: Ricardo Stuckert)

O presidente Michel Temer visitou Lula com uma comitiva de ministros e senadores. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi um dos que se encontraram com o petista. Na sexta, a ex-presidente Dilma Rousseff visitou Lula no hospital.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.