Supremo julga nesta quarta a possibilidade de candidaturas avulsas no País

Publicado por
4 outubro 2017 07h28

A decisão será tomada no plenário do Supremo e não tem repercussão geral, mas abre caminho para as candidaturas sem partido

 

Líderes políticos fazem duras críticas só para a possibilidade de o Supremo decidir nesta quarta-feira (04) que candidatura avulsa, sem partido político, pode ser aceita.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, levou à presidente do Supremo, Cármen Lúcia, estudo técnico que surgirão se a candidatura sem partido for admitida.

A decisão será tomada no plenário do Supremo e não tem repercussão geral, mas abre caminho para as candidaturas sem partido.

Para o presidente do PP, senador Ciro Nogueira, discutir a candidatura sem partido é legislar: “tem que se fazer uma nova constituinte e fazer uma nova Constituição. As pessoas querem legislar sem serem legisladores, sem estarem legitimadas. É um absurdo isso”.

A senadora Ana Amélia vê dificuldades, inclusive, para a campanha de um candidato avulso: “como é que um candidato só vai operacionalizar uma campanha? Como é que ele vai fazer arrecadação de campanha? Quem vai coordenar sem partido que tem uma estrutura”.

Para o senador Ronaldo Caiado, líder do DEM, uma mudança assim só pode ser feita por emenda constitucional: “o Supremo não pode decidir isso. O Supremo é prisioneiro da Constituição. Alguém para decidir isso tem que ser o Congresso Nacional, que tem que votar e mudar a Constituição. Nós legislamos, o Supremo julga”.

O julgamento sobre a candidatura sem partido está marcado para esta quarta, e o ministro Luis Roberto Barroso negou o pedido de movimentos populares na tentativa de participarem como interessados diretos neste assunto.

Fonte Jovem Pan

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.